28 de fev de 2010

O SANGUE


















É a primeira longa do excessivamente homenageado Pedro Costa. É de 1989. Tem excelente trabalho de fotografia vindo da época em que se sabia pintar com a sombra - o director de fotografia é Martin Schafer que, estranhamente, vem na página do imdb dedicada a ele como tendo falecido um ano antes do filme ter sido feito.. bizarro. Enfim. Além da fotografia este filme é lixo. É mau. Tem péssima direcção de actores. Tem enormes erros de casting. Péssimo som. Não linearidade numa história que se pretende contar e não que se tenha assumido como não entendível. 

Tem evocações a Bergman - mas fica-se pelo querer, tem referência  ao neorealismo italiano (Ettore Scola, bla bla) mas perde-se em pretensiosas interpretações e não chega a lado nenhum. É doloroso ver este filme com o som correndo - mas doloroso numa maneira má, não numa maneira boa como em Cronemberg. Sugiro que se o veja sem som, com o som desligado e apreciar o excelente trabalho artístico que é a fotografia, porque o resto do filme é absolutamente mau! Nem a utilização dos edifícios dos Olivais de Raul Hestnes Ferreira ajudam a compor mais que um péssimo trabalho que foi financiado publicamente e que é elevado aos píncaros dentro da elite intelectual portuguesa. Porquê? Barriguices - umbiguices. 

Além da fotografia a única coisa que escapa - faço aqui uma pequena vénia e um apontamento merecido - é a interpretação de Nuno Ferreira no papel de Nino (o do cartaz). É pena que tenha sido o seu único filme, seria certamente melhor actor que muitos dos outros que passearam falta de qualidade neste filme e que vieram a fazer dezenas e dezenas de filmes.  Como curiosidade, aparece também Manuel João Vieira no seu primeiro papel em cinema.

Visto em Lx - Flores Cinema

filme :  0100000000  fotografia :  0000000009  

3 comentários:

Anônimo disse...

Olá Rafael!

Fico surpreendido por saber que escreves sobre filmes com tanta devoção para um blogue.
Não conhecia este sítio, fiquei a conhecer através da lista de followers do blog da Andrea.
É um projecto muito interessante, esse de escrever sobre obras que vos são caras.
Vou continuar a acompanhar. Apetecia-me comentar já alguns dos textos publicados, mas vou deixar essa tarefa para os que se irão publicar de futuro.
Abraços e bom trabalho.

Filipe (o da sessão Otesanek ;)

Ricardo Lopes Moura disse...

Vi o sangue na adolescência e lembro-me apenas de que gostei. sim, tinha uma bruxuleante e fantasmagórica iluminação que cria todo o ambiente, e um ritmo lento que não chega a desesperar, aliás uma constante em toda a linhagem tuga de fazer cinema.

quanto ao falecimento do director de fotografia, nada mais simples: o imdb classifica apenas o ano de estreia dos filmes e não aquele em que foram filmados. se o filme tiver ficado anos na prateleira, bem podia ter morrido todo o elenco à chamada data de produção, que coincide com o produto final ser apresentado a entidades públicas para classificação e estreia.

rafa disse...

Oi Filipe, tinha-me esquecido de te responder! Mas para isso há o presencial :)

Abraço!