25 de jan de 2008

A Metamorfose


Um brinde às amizades que de meia dúzia de palavras trocadas em 2 dias de e-mails fazem nascer estas metamorfoses. Tal como Kafka tem a sua, nós teremos a nossa.
E começo por aqui. Li «A Metamorfose» de Kafka em alguns minutos.
Gregor acorda um dia de manhã transformado em insecto. A primeira preocupação dele é a desgraça da família por o ter naquele estado. Ele era já há alguns anos o sustento financeiro da família. Mas mais nada. Pois a partir do momento que deixa de poder sair à rua para trazer esse sustento, a família, que nunca teve coragem de olhar para ele depois de o terem visto pela primeira vez, ignora olhá-lo (a irmã ainda lhe leva comida no início mas ele preocupa-se sempre em se esconder para ela não se assustar ao vê-lo) mas anseia que ele desapareça.
Leiam! Lê-se rápido mas é saboroso, surreal, inquietante e frustrante. O absurdo e a desgraça dele foram o reviver da família: o pai volta a trabalhar, a irmã emancipa-se.

9 comentários:

Si disse...

Há mil anos que quero ler a Metamorfose.
Quando tirei uma foto junto `a estátua do Kafka, em Praga, pensei: tenho mesmo de ler.
Ainda nao foi dessa.
Mas na minha próxima ida aí, alguém mo pode emprestar, né? ;)
bjnh

disse...

Eu empresto! Mas só porque tenho o teu número de telefone e sei onde moras! Desde um remoto 25 de Abril que emprestei um CD do italianíssimo Fabrizio de Andre a uma não menos «íssimo» professor e encenador, e até hoje, com grande pesar meu, nunca mais o vi.

Si disse...

Faz uma espera a uma tal Barata e que to devolva! ;)
Depois de me emprestares o Kafka, podes vir cá a casa buscá-lo, ok? Lá para o fim de Abril, pode ser? :)
bjnhs

rafa disse...

eu tb kero ler a matamorfose, falta-me esse!!!!

entretanto linda si (não te conheço tá, quem és, por esse tá n te identifico), leiam o processo, o castelo e amérika de kafka.

o processo, especialmente, é brilhante!!

beijos beijossss

rafa disse...

metamorfose hehehe :P

Anônimo disse...

e depois?
o resto?
morrem? n morrem?
ficam amigos? separam-se?
felizes? + - felizes?

aqui fica a minha reivindicação:
já basta a vida incerta..
n saber o dia d amanhã..
a vida cheia d interrogações..

poderíamos ter 1 alínea onde se comente o final do livro/filme?

gostaria d saber quem é q inventou,
q a história perde o interesse qd sabemos o final!
pois eu lembro-me d ouvir histórias repetidas aos meus avós, pais, irmãos, amigos e ficar sp deliciado! e vejo todos os q m rodeiam a deliciarem-se d = modo! mas n s devem dar conta d tal, pois mal s fala em fimes /livros, dizem logo:
n m contes o final!
ass: super anónimo

Anônimo disse...

por exemplo neste caso:
qual é a mensagem q o autor pretende transmitir?
sim pq n s inventa q 1 homem s transforma num besouro por dá cá aquela palha!!!
o q será q esta história nos pretende transmitir?
já q mostram 1 ponta da lenda,
por favor... escrevam a legenda!
ass: super reivindicador!

Si disse...

Super anónimo/reivincador:
Eu já te disse que estou a tentar resolver essa parte!!
Se te juntasses aos Descritores, poderias falar o final dos teus livros/filmes como queres tanto! :)
Bjnhs p os 2 ;)

disse...

Kafka projecta no insecto uma vida sem criatividade, burocrata, porque o Gregor era caixeiro-viajante. Era assim que o próprio autor se via. Sim, morre. O que dá uma sensação de ALÍVIO a toda a família, que não tem que se justificar aos outros sobre a mutação do Gregor (que nunca tentaram perceber). Quanto aos finais, concordo contigo. Mas regra geral, tanto nos livros como nos filmes, tenho uma vantagem: nunca me lembro do final. Acho que a minha mente elimina o final para que o possa voltar a ver ou a ler. E voltando a ler ou a ver é sempre diferente. É isso mesmo!