11 de out de 2008

Lord of War


No último ano os filmes que tenho visto têm servido para me questionar sobre muita coisa. A cada filme que via, despertava para mais um dos problemas que assombram a vida de qualquer ser no planeta Terra: guerras, crises económicas, fome, poluição, miséria, tráfico de armas, tráfico de pessoas,...
E filme a filme (livro a livro, conversa a conversa, imagem a imagem, etc.) comecei a tomar consciência de que a verdade que conheço, afinal nada significa. E que afinal os vários problemas que me desinquietam a mente, não são mais do que um só problema, constituído pelos vários problemas (que se relacionam entre si).
Não consigo escrever sobre o filme que aqui vos falo. Nao me saem as palavras. Porque tudo me parece demasiado pequeno perante a vida real.
O pensamento e a reflexão sobre certos filmes dói tanto, que no fim deste, perguntei apenas: "Não temos por aí nenhuma comédia romântica para ver e relaxar... E esquecer a realidade...?".

Lord of War, como se costuma dizer: Um filme a não perder!

Mais um filme que me vem mostrar que afinal eu já não posso salvar o mundo. E assim, já não quero salvar o mundo. Apenas posso/quero construir o meu mundo. E poder fechar os olhos quando a imagem não me agrada... Pois muito mais que isso não poderei fazer pelo mundo.

Um comentário:

Ricardo Lopes Moura disse...

Ana, nunca desistas de salvar o mundo, pelo menos o teu mundo.

constrói-o o melhor que puderes e tenta convencer os teus amigos a agires de forma correcta.

o filme Lord of War é excelente e aconselho-te a ouvires a banda sonora do antónio pinto em CD, porque é de uma sensibilidade sem barreiras.

um beijinho e força.