30 de abr de 2008

LET THE RIGHT ONE IN

Let the Right One In, de Tomas Alfredson é um filme sueco transposto a partir do livro de John Ajvide Lindquist (de que segue a imagem) e apresentado sobre o tópico Laboratório no seio do Indie Fest de Lisboa - que está ainda a decorrer até ao próximo Domingo e que conta com 238 filmes em exibição entre estreias, primeiras obras, competição de curtas nacional e internacional, competição de longas nacionais e internacionais, Indie Music, filmes-concerto, festas, conferências, ciclo de novo cinema romeno, retrospectiva Guerín, retrospectiva Johnnie To, Indie Junior... O programa é imenso e intenso e incomoda por serem tão vastas as possibilidades! Aqui segue o site oficial :

[V Festival Internacional de Cinema Independente de Lisboa]

Por ser tão difícil a escolha, fiz ontem algo que raramente faço [acho que foi a segunda vez, já o tinha feito da primeira vez que fui ao Fantasporto] e que foi pegar em mim e noutros amigos e ir ver um filme sem ter qualquer ideia sobre o que iríamos ver, completamente espontâneos, totalmente inesperados!

O que encontrámos foi uma interessante variação sobre o mais que explorado tema do vampirismo e que me fez sentir como se estivera no Porto, numa qualquer sessão do Fantas! O filme cresce em nós ao revelar-nos a improvável relação entre um miúdo de 12 anos e a sua amiga vampira, das dores de adolescente, às pequenas descobertas do companheirismo e às tumultuosas relações com os outros que se resolvem na cena final, no ocaso da ligação afectiva entre os dois. Não posso nem gosto de pontuar, detesto categorizar seja o que for que fuja a um simples e verdadeiro gosto, mas em pequeno exercício de forma, diria que este filme não recebe estrelas mas andará pelo meio da segunda parte de uma possível tabela de valores - a ver, portanto!

Visto na magnífica sala do Cinema São Jorge, Av Liberdade, LX

Um comentário:

trutasalmonada disse...

eu vi "Import Export", intenso, complexo...a reflexão está em construção

estou curiosa com as votações

ff