1 de fev de 2009

O DIA EM QUE A TERRA PAROU



Recosto-me na cadeira preparado para mais uma viagem Lisboa-Coimbra neste Pendular que se move à mesma velocidade que as carruagens dos tempos da malaposta (ninguém me explicou e eu não consigo ainda discernir a vantagem entre este e o Intercidades, a RedeExpressos ou um qualquer veículo utilitário – pois se é para lhe chamar de rápido e então o considerar alternativa a qualquer outro transporte então que siga a mais de 100km/h e não como vai). Mas adiante.

Recosto-me na cadeira e no lugar logo à frente um portátil abre-se revelando o remake do clássico de SciFi The Day the Earth Stood Still com um Keanu Reeves como o alienígena Klaatu. Sem prever leitura e sem a recorrente vontade de adormecer em qualquer transporte, embarco neste filme em detrimento da paisagem que passa pela janela e que já conheço.

Esta longa-metragem de ficção científica tenta passar uma mensagem moral ambiental com o alarme de que a humanidade será aniquilada sem recurso pelo mal que tem perpetuado sobre o seu planeta. No filme original o conselho funcionava, se bem que veiculado de maneira infantil, mas nesta versão actualizada - algo bem em voga nos estúdios americanos, o de recuperar objectos fílmicos, mudando-lhe apenas o rótulo - falha completamente. E perde-se este filme e bem assim e como sempre, Reeves, num filme sem qualquer interesse mais do que um passatempo de comboio.

O argumento falha em toda a linha, a direcção de actores é catastrófica - como Reeves também Connely estão péssimos e não há qualquer novidade técnica ou estética que o distinga de entre os muitos filmes do género. Dispensa-se.

Visto no Alfa-Pendular LX>CBR em portátil alheio

Enlace | www.imdb.com/title/tt0970416

3 comentários:

disse...

Rafa, não podia estar mais de acordo contigo. O próprio enredo é uma singela e pouco discreta publicidade ao poderio militar (e moral!) dos EUA.

Si disse...

Diz-me só uma coisa: se era um "portátil alheio", como conseguiste ouvir? :) [é que por respeito aos outros passageiros, espero que o dono do portátil tenha usado head-phones...]

rafa disse...

Tá > é o umbiguismo americano no seu clímax!

Si > Não ouvi - li legendas e imaginei-me dentro do filme e depois fui recolher trailer para completar o cenário ;)