22 de jun de 2008

HOMENS ARANHAS

Homens-Aranhas (assim mesmo, justapostas) não é um livro que surpreende pelo facto de ser um livro de pequenos contos alinhavados ao desafio, desafiando-nos a lê-los todos de uma assentada - porque apetece mesmo ler todos de uma só vez, é um livro que surpreende pela temática que aborda:

Pequenos pecadilhos burgueses, urbanos e mundanos escalpelizados em curto formato através de palavras competentes e com um resultado nada razoável (saímos feridos nalguns dos contos). Os contos são infalíveis e alguns tremendamente bons (bons, caramba!) e os meus preferidos são sempre o Hotel Vitória e o Escalador de Paredes. Se no segundo reconheço algo remotamente de Borges, no segundo fui surpreendido com um delírio catastrofista onde ZInk assassina um personagem que só pode ser Cunhal!

Há que ler e divagar, ser o super herói nos contos dos outros e vestir a capa escalando sonhos e atingindo memórias!

Um comentário:

Anônimo disse...

Olá!
Queria trocar algumas ideias sobre os contos de Zink, em especial o "Escalador de Paredes". Achei o texto curiosíssimo, e me interesse discutir a intertextualidade. Alguém?
Até mais,
Danielle