26 de ago de 2008

Wall.e

Com esta coisa de ver cinema em casa a toda a hora, já tinha perdido a conta aos meses sem fim que não ía a uma sala de cinema. Walle marcou o regresso...
Para mim, o mais fantástico, é sem dúvida a forma como os robôs comunicam entre si e com os humanos sem falar
. As expressões bastam... A Terra enfrenta uma crise de lixo tão grande que para garantir a sobrevivência dos Homens, estes refugiam-se numa giga-nave no espaço onde se deslocam numas cadeiras voadoras e comem, comem, engordam, comem. Programam o envio de robôs para pesquisar se ainda há vida na Terra e é aí que o Walle, último robô na terra, parte de uma operação falhada de limpeza do lixo, conhece a Eva, o robô que vai à procura de vida. E o resto é alegria, romantismo e diversão.

4 comentários:

Si disse...

Uns amigos disseram-me que nao posso perder este filme, visto que o Wall.e é igual a mim: adora reciclagem! :)
bjnhs

Ana disse...

Só estou à espera de reencontrar novamente o ritmo de Hamburgo, para ver uns quantos filmes que já indicaram neste blog. A lista até já foi enviada para o informático cá da casa ;)

Chandelier disse...

Wall-E gosta, realmente, de guardar todos os pequenos "tesourinhos" que vai encontrando. É um filme adorável. Passei todo a tempo a exclamar: ohhhh

disse...

Não é só nisso que o Wall.e é igual a ti, Si. Também não desiste de quem gosta...